_RG
VEJA
09/02/10
PERFIL
Ela é Bárbara

Em cartaz com duas peças de sucesso na cidade, Bárbara Paz se livra do estigma de celebridade trash da Casa dos Artistas

Nana Caetano

Atualmente, ela divide o palco com o namorado, Dalton Vigh, em duas montagens: Os Sete Gatinhos, de Nelson Rodrigues e A Importância de Ser Fiel, de Oscar Wilde.

Notoriedade ela já tem há três anos, desde que saiu vencedora do programa Casa dos Artistas, do SBT. Bárbara Paz anda com ares de celebridade pelo centro da cidade, onde mora. Atrai olhares, distribui autógrafos, é chamada pelo nome. Até fã-clube ela ganhou – um grupo de 200 adolescentes do Brasil inteiro que se auto-intitula Fadinhas. Agora, a atriz gaúcha de 30 anos quer, além da fama, credibilidade. \\\"Eu já tinha uma carreira de atriz antes do reality show\\\", diz. \\\"Saí de lá conhecida, mas sem o aval dos críticos.\\\" Ela atribui a atual boa fase a escolhas acertadas. \\\"As pessoas me perguntam por que eu sumi. Nunca trabalhei tanto, só que agora estou apenas no teatro.\\\"

De terça a domingo, Bárbara se divide entre Aurora, sua personagem em Os Sete Gatinhos, de Nelson Rodrigues, e Cecília, em A Importância de Ser Fiel, de Oscar Wilde. As duas peças lotam o Teatro Folha e o Teatro Imprensa em quase todas as sessões. Seus desempenhos anteriores lhe valeram elogios de monstros sagrados do teatro brasileiro. \\\"Bárbara tem postura adequada, dicção correta e um rosto moderno, nem bonito nem feio, o que é bom para uma atriz\\\", afirma Bibi Ferreira, que a dirigiu em A Babá, no ano passado. \\\"Ela é talentosa e disciplinada\\\", diz o ator Paulo Autran, com quem ela fez Vestir o Pai, em 2003. \\\"Bárbara vai longe.\\\"

Se na carreira profissional a atriz preferiu manter distância de folhetins, na vida pessoal flerta com um roteiro de novela mexicana. Ficou órfã aos 17 anos (o pai morreu de cirrose hepática e a mãe, de insuficiência renal) e, do interior do Rio Grande do Sul, decidiu ganhar o mundo em São Paulo. Ela trabalhava como modelo havia seis meses na cidade quando sofreu um acidente de carro que lhe rendeu uma cicatriz de orelha a orelha. \\\"Pensei que nunca mais poderia aparecer no vídeo e que seria para sempre \\\'a menina da cicatriz\\\'\\\", conta.

Sua história ficou menos turbulenta depois que conheceu o ator Dalton Vigh, namorado e colega de palco nas duas peças. \\\"Estarmos juntos no teatro é uma desculpa para ficar perto mais tempo\\\", brinca Vigh, que mora no apartamento de 200 metros quadrados na Avenida São Luís comprado por Bárbara com parte dos 360.000 reais da Casa dos Artistas. E Supla? Bem, o romance enclausurado, o edredom e a bossa furiosa desafinada do papito ficaram para trás. Mas nada de mágoas. \\\"Ela é supergente boa\\\", diz o roqueiro.

Neste mês, além de trabalhar dobrado no teatro, cuidar do gato \\\"Capuccino\\\", do cachorro \\\"Harry\\\", dos coloridos quadros que pinta nas horas vagas e dos textos que escreve para um dia, quem sabe, publicar – muitos deles estão em seu blog, o www.barbarapaz.com.br –, Bárbara ensaia para um longa-metragem e para um teleteatro da TV Cultura. Paz, pelo que se vê, é só no nome mesmo.